Diversificado, setor do pescado tem opções de preços para todos

Diversificado, setor do pescado tem opções de preços para todos

22 de agosto de 2019

Com mais de 400 espécies disponíveis no mercado para o consumidor brasileiro, o pescado possui competitividade para estar presente em todos os pratos e nos diferentes bolsos. Afinal, essa variedade de opções permite que sejam atendidos diferentes paladares e com preços bem variados. 

Em consulta realizada pela reportagem da Semana do Pescado, Priscilla Cabral, empresária do setor, apontou salmão, côngrio-rosa, tilápia e truta como opções competitivas na comparação com outras proteínas normalmente consumidas pela classe A. 

A empresária do setor do pescado também enumera a panga, vendida como filé linguado, e a merluza como opções interessantes para a classe B, assim como ocorre com a sardinha para a classe C. 


Para além de consumir uma proteína com preços competitivos, o pescado traz benefícios à saúde de quem se alimenta dele, pois é rico em Ômega 3 e estimula a memória, além de contribuir para a prevenção de doenças cardíacas. Até por isso, os médicos recomendam que se coma peixe duas vezes por semana.

Campanhas de divulgação, como as estimuladas pela Semana do Pescado, que incentiva o varejo e os restaurantes a apresentarem a ampla oferta dessa proteína e estimular o aumento do consumo, hoje no nível que o restante do mundo alcançou na década de 1960. 

"Como empresária do ramo, mãe e dona de casa, o que eu observo é a falta de divulgação dentro dos supermercados onde os pescados não tem destaque", afirma Priscilla, admitindo que a questão dos preços é um tabu que precisa ser enfrentado pelo setor. "Pessoas fogem das gôndolas por achar que é caro", acrescenta. 

Para debelar essa visão, um trabalho cotidiano de quem comercializa o pescado pode ser um passo fundamental. "O ideal seriam mais agentes das redes de supermercados fazendo campanha e degustação. Trabalho de formiguinha mas eficaz", diz a empresária. Vale destacar também que o pescado em geral possui cocção rápida, seja no forno, em frigideiras ou mesmo na brasa. 

A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP) tem a segunda maior feira atacadista de pescado da América Latina, que ocorre no Entreposto Terminal São Paulo. Diariamente são comercializadas, em média, 200 toneladas de peixes de 97 espécies – os de água salgada representam 90%. Sardinha, pescada, corvina e tilápia figuram na lista dos mais procurados. As importações são cerca de 6% do volume vendido, com destaque para o salmão, proveniente do Chile.

Em pesquisa no seu site, a reportagem da Semana do Pescado selecionou as opções com preços médios de até R$ 20 o quilo para o atacado, em 21 de agosto. Confira


Anchovas (Grande) = R$ 9

Atum (Grande) = R$ 18

Bonito = R$ 3,50

Cação Congelada = R$ 9

Camarão 7 Barbas = R$ 9

Cascote = R$ 1,80

Cascudo = R$ 3,20

Corvina (Grande) = R$ 5,50

Curimbata (Grande) = R$ 2,50

Espada (Grande) = R$ 4,80

Guaivira = R$ 1,80

Manjuba = R$ 9,50

Mistura = R$ 1,80

Olhete = R$ 12,50

Pescada (Grande) = R$ 4,80

Pescada Goete (Grande) = R$ 3,20

Pescada Maria Mole (Grande) = R$ 5,50

Pintado Cativeiro = R$ 11,00

Porco = R$ 3,50

Sardinha Fresca (Grande) = R$ 3,80

Sororoca = R$ 7,50

Tainha = R$ 5,50

Tilápia Cativeiro = R$ 5

Traíra = R$ 8,50

Truta Cativeiro = R$ 18

NOTÍCIAS

 

 

Desenvolvido por Br3 comunicação.