Mitos e verdades sobre pescado

Mitos e verdades sobre pescado

03 de setembro de 2019

- Toda a tilápia consumida no Brasil tem gosto de barro.

Mito. A tilápia é hoje o peixe mais cultivado na piscicultura brasileira em dois sistemas principais: tanques escavados e tanques-rede (gaiolas em reservatórios) e a maioria das empresas adota processos que tiram essa sensação do paladar. Além disso, a tilápia possui uma ótima adaptação ao clima e águas do Brasil, além de apresentar uma carne com sabor suave e muito saudável.

- O maior volume de consumo é de peixe fresco.

Mito. A forma de apresentação mais vendida de pescado é a preparação e conserva de peixes. Os peixes congelados aparecem em segundo lugar, segundo dados da Pesquisa Industrial Anual IBGE 2016. Em terceiro lugar, aparecem os filés e porções de peixes frescos, refrigerados ou congelados, seguidos dos crustáceos; peixes, filés e outras carnes de peixes, secos, salgados e defumados; finalizando com os moluscos.


- O custo elevado do pescado está relacionado à escassez do produto.

Mito. O Brasil é um grande produtor e importador de pescado, disponibilizando ao mercado uma grande variedade de produtos e aumentando o potencial de atender a demanda interna. O custo do pescado nacional está diretamente relacionado à carga tributária, à logística de distribuição e a um número ainda pequeno de estabelecimentos processadores. Além disso, outro complicador do preço é a escala de produção (quanto maior a escala, menor o custo).

- Muito gelo é sinônimo de pescado podre.

Mito. Há regiões do Brasil em que o gelo é considerado um sinônimo de má conservação, mas é justamente o contrário. A melhor forma de conservar o peixe fresco é o gelo em escamas, que deve ficar por cima e por baixo do pescado. O ponto de venda precisa respeitar esta máxima e manter o pescado entre -2°C e 0°C. Em casa o consumidor deve fazer o mesmo para fazer o produto durar cerca de 10 a 12 dias. 

- Peixe congelado pode ser até melhor que o fresco.

Verdade. O pescado muitas vezes é capturado ou despescado (retirado dos tanques e viveiros) a uma distância grande do centro consumidor. O congelamento industrial pode retardar o processo de deterioração e levar a data de validade do produto para mais de 1 ano. Para isso, os frigoríficos realizam o congelamento a temperaturas inferiores a -25°C e depois mantêm o pescado em -15°C, processo que dá segurança ao consumo e preserva a integridade das fibras da carne.

- É sempre melhor descongelar na geladeira.

Verdade. O procedimento é correto ajuda a manter o produto com a textura e o sabor excelentes. A melhor forma fazer isso é deixar o pescado de um dia para o outro na parte de baixo da geladeira em um recipiente específico. 

- Todas as indústrias colocam água no pescado para ele pesar mais.

Mito. As indústrias inscritas no Serviço de Inspeção Federal (SIF) e os importadores sofrem hoje uma rigorosa fiscalização das autoridades sanitárias e a quantidade de fraudes por troca de espécies ou excesso de gelo incorporado caiu nos últimos anos, segundo o próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 

- Peixe cheira mal.

Mito. Qualquer pescado em condições de consumo não tem cheiro forte. Nos supermercados e peixarias que respeitam a legislação, não se sente cheiro algum. Em alguns pontos de venda, como feiras livres, a água usada para lavar o pescado cai pelo chão com resíduos que apodrecem, gerando o cheiro de amônia e uréia característico e injustamente atribuído a todos os peixes, crustáceos e moluscos.

- Pesca pode ser sustentável.

Verdade. O debate sobre a sustentabilidade é hoje uma realidade na cadeia do pescado. A pesca extrativa é vista globalmente como uma ameaça, mas existem inúmeros exemplos de que a atividade pode ser realizada com sustentabilidade, como no caso do Alasca e Noruega. Em ambos os países, pesquisas e análises científicas garantem o cálculo da quantidade de peixes no oceano e o governo emite autorizações para a captura de uma parcela reduzida deste potencial em períodos específicos que não atrapalhem a capacidade de renovação destas espécies. De qualquer forma, os barcos no Brasil são registrados, rastreados, fiscalizados e são autuados caso não sigam normas ambientais para a preservação de espécies ameaçadas.

NOTÍCIAS

 

 

Desenvolvido por Br3 comunicação.