top of page
Buscar
  • Foto do escritorSemana do Pescado

A criação de insetos entra na aquicultura


Imagem: Pixabay


Um exemplo de transformação de alimentação aquática a Ittinsect, uma empresa romana de biotecnologia focada no desenvolvimento de uma linha de rações à base de insetos, microalgas e subprodutos agrícolas, escreve Laila Akhtar em um artigo no thefishsite.com. Laila Akhtar tem mestrado em Comportamento Animal pela Universidade de Exeter e é especialista em aquicultura e bem-estar de peixes. Ele conversou com Alessandro Romano, co-fundador e CEO da Ittinsect, sobre seu objetivo comercial e marcos.


“Tudo começou com a minha paixão pelo oceano. Eu naveguei toda a minha vida e depois de obter um mestrado em Arquitetura Naval e Engenharia Marinha pela Universidade de Southampton, trabalhei como corretor de navios na Suíça até perceber que esses grandes navios estavam tendo um impacto negativo no ambiente marinho”, diz romano. “Larguei meu emprego e fiz uma viagem de 40 dias pelo Mediterrâneo, comendo apenas o peixe que conseguia pescar. Percebi como nossos oceanos estão vazios hoje e descobri que 20% de todos os peixes que pescamos, ou seja, 20 milhões de toneladas de peixes por ano, acabam na alimentação animal, inclusive para aquicultura”, completa.


Assim, em 2020 nasceu a Ittinsect, que iniciou o desenvolvimento da Farinha Enriquecida de Insetos (EIM). “Usamos todos os tipos de subprodutos agrícolas em nossas formulações de ração , além de insetos da Europa que são certificados como ração e só comem subprodutos”, diz Romano.


“Nossa equipe de pesquisa e desenvolvimento está constantemente avaliando novas espécies de insetos. Mas no momento utilizamos a mosca negra soldado (Hermetia illucens) devido a sua produção em massa já estabelecida e o grande besouro da farinha (Tenebrio molitor). Acreditamos no desenvolvimento da produção de insetosem grande escala, já que vimos um investimento de 250 milhões de euros na empresa francesa Innovafeed e várias outras fazendas de insetos estão se expandindo. Desta forma, o acesso aos insetos torna-se mais fácil e a genética dos insetos é melhorada. É por isso que obtemos alimentos de maior qualidade a preços mais baixos”, conclui.


1 visualização0 comentário
bottom of page